Multas para quem não eliminar criadouros do Aedes serão intensificadas




2-2Apesar de todas as campanhas veiculadas na mídia pelos governos federal, estadual e pela Prefeitura, a população de Campo Verde ainda não se conscientizou que ela é o agente mais importante no combate ao Aedes Aegypti, mosquito que transmite dengue, chikungunia e o zika vírus.

Para se ter uma ideia, desde o dia 1º de janeiro até agora foram notificados 237 casos de dengue. Esse número corresponde a mais da metade das notificações feitas em 2015, que foram 410. No mesmo período foram registrados 173 casos suspeitos de zika contra 58 no ano passado.

Para mudar esse cenário e tentar conter o avanço do Aedes, a Secretaria Municipal de Saúde admite que poderá intensificar as multas para quem não eliminar os criadouros do mosquito. O valor da multa varia de R$ 100 a R$ 600 e pode dobrar em casos de reincidência. Este ano, 16 donos de imóveis foram multados.

Selo – Outra medida que será adotada pela Secretaria Municipal de Saúde é a criação de um selo indicando as residências ou empresas onde não foram encontrados focos do mosquito Aedes aegypti. A ideia é que isso incentive os moradores e empresários a manterem seus imóveis limpos. Também estão sendo organizados novos arrastões de limpeza nos bairros.

Exército – Para que mais imóveis possam ser visitado e cada vez mais focos do mosquito sejam eliminados, a Secretaria de Saúde de Campo Verde encaminhou ofício ao Exército Brasileiro solicitando que soldados sejam enviados para atuar no município.

De acordo com a secretária Sandra Badoco, o Exército ainda não se manifestou se vai ou não atender a solicitação. A Secretaria Municipal de Saúde conta atualmente com 22 agentes de Saúde e 73 agentes de combate a endemias fazendo a vistoria dos imóveis.

Conforme informou Sandra Badoco, esse contingente será aumentado com a contratação de mais agentes de combate á endemias aprovados no último teste seletivo realizado pela Prefeitura de Campo Verde.

Como eliminar – O Aedes aegypti precisa de água parada para se desenvolver. Qualquer recipiente que acumule água é ideal para as fêmeas do mosquito depositem seus ovos, que permanecem vivos por mais de 400 dias.

Para eliminar o inseto as medidas são simples, mas é preciso o empenho de todos. Basta manter quintais e terrenos baldios limpos, eliminar locais que acumulam água, verificar calhas, ralos e não deixar fossas abertas e caixas de água destampadas. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação/ASCOMCV)

Categorias: Noticias