Prefeito confirma possibilidade de implantação de escola cívico-militar em Campo Verde




Mesa de autoridades da audiência pública realizada na última sexta-feira

Durante a realização da audiência pública na última sexta-feira (13), onde foi debatida a instalação de uma escola cívico-militar em Campo Verde, o prefeito Fábio Schroeter confirmou a possibilidade de a cidade contar com um estabelecimento de ensino nesse formato é real.

A audiência, da qual participou o deputado estadual Sílvio Fávero, foi realizada no plenário da Câmara e contou com a presença de vereadores, da secretária municipal de Educação e Cultura, Andréa Schroeter e da Assessora Pedagógica da Secretaria Estadual de Educação, Aparecida Rangel, além do comandante da 8ª Companhia Independente de Polícia Militar, Tenente-coronel Anderson Luiz da Silva. O vereador Pedro Cambará representou o presidente da Câmara, Solivan Fonseca, que não pode participar devido a compromisso familiar.

De acordo com o prefeito, a implantação de uma escola cívico-militar vem sendo debatida há meses. “Numa conversa em seu gabinete o deputado entrou no assunto e eu disse a ele que tinha grande interesse”, disse o prefeito. Fábio frisou que a administração municipal será parceira do Estado na implantação do novo modelo. “Tanto é que fizemos essa provocação ao deputado para que a gente pudesse fazer essa audiência pública para discutir como seria essa implantação”, salientou.

A ideia, conforme disse Schroeter, é utilizar a estrutura já existente para implantar o modelo. “Com isso os resultados seriam colhidos mais rápido”, disse o prefeito. “É uma coisa boa que não podemos desperdiçar”, continuou. “O Município é parceiro e nós queremos adiantar essa discussão. O que a gente quer é que tenhamos uma unidade implantada aqui no Município porque entendemos que o benefício é muito grande”, completou o prefeito.

Uma das possibilidades sugeridas foi implantar o ensino cívico-militar na Escola Estadual Ledy Anita Brescancin, no bairro São Miguel. A implantação não prejudicaria os alunos que já estudam naquela escola e que poderão continuar, desde que haja a concordância dos pais. “Os alunos que já estudam [na escola] têm preferência. É direito deles”, frisou o Fávero.

Para os demais alunos, conforme explicou o parlamentar, as matrículas seriam feitas através da internet e uma Lei de sua autoria que tramita na Assembleia Legislativo prevê o fim do teste de seleção para o ingresso na escola cívico-militar.

Sílvio Fávero explicou que a ideia de se implantar escolas cívico-militar em Mato Grosso surgiu em 2018, após ele ter assistido a uma entrevista do então candidato à presidente, Jair Bolsonaro. “E eu falei: ‘por que não trazer isso para o nosso estado? Dali pra frente entramos com o projeto na Assembleia Legislativo, tivemos êxito, virou Lei e aí começamos a implantar no Estado de Mato Grosso”, completou.

Segundo Fávero, no modelo cívico-militar é preciso que haja a participação do Estado, Município e sociedade para que ele possa ser implantado e executado. “Com esse conjunto, nós conseguimos desenvolver”, disse ele, lembrando que em algumas cidades a população está fazendo doações para que os prédios para abrigar a nova escola passam ser construídos.

Sinop, Sorriso, Lucas do Rio Verde e Jaciara são municípios onde já existem escolas cívico-militares e, de acordo com Silvio Fávero, de 10 a 12 novas unidades deverão ser implantadas. “Campo Verde é uma cidade igual a Lucas do Rio Verde. Por que não as pessoas que aqui chegaram, são pioneiras e acreditam na cidade, contribuírem para a escola cívico-militar dessa cidade?”, indagou.

Nas escolas cívico-militares, policiais militares e civis partilham a administração e, de acordo com o novo modelo proposto pelo Governo Federal, os militares atuarão como monitores para auxiliar na gestão educacional e administrativa. Os professores serão civis, responsáveis pela gestão da organização didático-pedagógica, bem como da financeira.

Categorias: Gabinete