Gari nega ter jogado sapo em crianças


Denúncia foi feita em uma postagem no facebook e por pouco o gari não foi demitido

O gari Juliano Roberto Ramos Freitas, funcionário de uma empresa que presta serviços de coleta de lixo para a Prefeitura de Campo Verde, negou nesta segunda-feira (18) ter jogado uma sacola com um sapo vivo dentro para três crianças no bairro Jardim América na última sexta-feira (15).

Em uma postagem feita em uma página do facebook, uma mãe moradora do bairro relatou que o gari teria jogado a sacola e pedido para que uma das meninas que brincava na rua a pegasse. Ainda de acordo com a mãe, a criança se assustou e começou a chorar enquanto o gari ria da situação. A postagem gerou vários comentários contra o trabalhador.

O caso chegou até o secretário de Obras e Viação, Fabiano Teruel, e o gari foi chamado para prestar esclarecimento. Segundo ele, a sacola não foi jogada em direção às crianças, que estavam na calçada.

“Eu joguei a sacola com o sapo que estava no lixo que a gente pegou”, disse ele. “Tinha duas meninas grandes e uma pequena e as duas grandes ficaram pedindo para a pequena pegar a sacola. Eu não joguei [a sacola] nelas. Elas estavam no meio da rua e quando o caminhão passou elas saíram. Eu joguei na rua. Eu não joguei nelas”, afirmou Juliano.

Em conversa por um aplicativo de celular com a responsável pelo serviço de coleta de lixo da Secretaria Municipal de Obras e Viação, Jaqueline Iasmin Souza, a mãe da garota afirmou que não viu qual gari teria atirado a sacola. “Eu não vi bem qual foi. [Eu] Estava dentro do quintal mexendo nas plantas quando aconteceu. Quando corri por causa do grito da minha filha eles já tinham saído”, escreveu a mulher.

Em um áudio enviado à responsável pela coleta de lixo, a mãe pede que o gari não seja demitido pelo que, supostamente, teria feito. “Eu fiz o desabafo para a pessoa ver que está errado fazer isso com uma criança. Ser mandado embora eu fico até com dó, [porque] precisa [do emprego], pode ser um pai de família e as vezes não pensa no que faz”, disse ela.

A mãe também ressaltou que a situação supostamente provocada pelo gari a deixou revoltada pelo susto causado à filha. “A menina ficou chorando o tempo todo porque, um sapo vivo, quando abriu [a sacola] o ‘trem’ pulou. Mas ser mandado embora por mim eu não vejo necessidade, uma repreensão, conversar sim, mas mandar embora eu fico até com dó da pessoa”, disse.

De acordo com o secretário de Obras e Viação Fabiano Teruel, o gari errou em ter jogado a sacola com o sapo na rua, próximo de onde havia crianças brincando, mas ressaltou que as pessoas, antes de fazerem qualquer postagem acusando um servidor público ou um prestador de serviços, deve entrar em contato com a secretaria – no caso a de Obras e Viação, para evitar que servidores sejam punidos ou demitidos injustamente.

“Realmente, antes da explicação dele, ele seria demitido, mas como ele explicou direitinho – e a própria mãe da criança já comunicou que ela não tinha certeza do acontecido, então, mediante isso, a empresa dele vai tomar uma advertência pelo motivo de que em vez de ele ter juntado aquilo e jogado em outro lugar, ele ter jogado na rua”, informou Teruel.

Categorias: Noticias