Campanha “Não dê esmola, promova cidadania” é iniciada em Campo Verde




A Secretaria Municipal de Assistência Social de Campo Verde iniciou oficialmente hoje (17) a Campanha “Não dê esmola, promova cidadania”, que tem por objetivo, conscientizar a população de que nem sempre o dinheiro dado a pessoas em situação de rua representa efetivamente uma ajuda para que ela deixe aquela condição. Muitas vezes o dinheiro é utilizado para a compra de álcool, cigarro ou outras drogas ilícitas.

“Uma vez dando esmola vai fazer com que ela permaneça em situação de rua. Lembrando que ela tem que querer ajuda para sair da situação de rua. A gente não pode vir e impor que ela não deve ficar na rua”, explicou o coordenador de Vigilância Sócioassistencial da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Verde, Ricardo Souza. “Uma vez que você dá esmola, você mantém e incentiva que ela permaneça na vida de mendicância”, salientou.

Na tarde de hoje (17), servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social e representantes das demais instituições envolvidas na campanha, distribuíram panfletos sobre como a população deve agir quando forem abordadas por algum pedinte. Faixa também foram afixadas em vários pontos da cidade.

Uma das orientações é ligar para a Secretaria de Assistência Social através do telefone (66) 3419-2304. “A Secretaria vai fazer o encaminhamento necessário: se é voltar para a família, se é buscar um tratamento de álcool e drogas, se é fazer uma documentação, fazer uma consulta médica. Querendo ajudar, ligue na Secretaria de Assistência Social”, orientou Souza.

O coordenador de Vigilância Socioassistencial explicou que a iniciativa de se realizar a campanha foi tomada após a crescente reclamação de moradores e comerciantes contra a presença de pessoas em situação de ruas em vários pontos da cidade. A proposta foi discutida no Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), e debatida também durante Audiência Pública realizada em novembro do ano passado.

Ricardo Souza orientou que quando a população se sentir ameaçada por um morador de rua deve procurar as autoridades policiais. “Uma vez que você se sente ameaçado pela maneira como foi abordado, deve procurar a polícia civil ou polícia militar e registrar um B.O (Boletim de Ocorrência). A pessoa estar em situação de rua é uma condição, mas agora ela usar daquela condição e ganhar dinheiro para fazer uso de álcool e drogas, aí não é mais Assistência (Social), é Polícia Militar ou Civil”, explicou.

São parceiros na realização da campanha as Polícias Militar e Civil, o Gabinete de Gestão Integrada Municipal, o Conselho Municipal de Segurança, o Corpo de Bombeiros, o Conselho Municipal de Pastores, a Pastoral da Sobriedade da Igreja Católica, a Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo, a Secretaria Municipal de Saúde e a Câmara de Vereadores.

Categorias: Noticias