Apresentação em Cuiabá demonstra evolução técnica da Orquestra Sinfônica de Campo Verde




Pelo segundo ano consecutivo a Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde se apresentou e encantou o público que prestigiou o concerto realizado no Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, em Cuiabá, na noite da última quarta-feira (30).

Os músicos de Campo Verde demonstraram muita técnica e talento ao interpretarem clássicos da música erudita, como a suíte Carmen, do compositor francês George Bizet.

A Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde foi criada há quatro. A evolução técnica apresentada pelos músicos nesse período impressionou o maestro Murilo Alves, presidente do Instituto Ciranda, parceiro da Prefeitura no Projeto da Orquestra.

“O projeto, a proposta, é de inclusão por meio da música. Música e cidadania. Mas o aspecto técnico é bastante observado e nesses quatro anos a evolução foi gigante”, observou. Essa noite foi um concerto com repertório tradicional de orquestra, com todas as implicações técnicas”, completou.

A evolução dos músicos e a criação da Orquestra, de acordo com Murilo Alves, são legados cultural que ficarão para Campo Verde, que segundo ele, é hoje modelo para o Mato Grosso no ensino da música clássica e um exemplo a ser seguido. “É uma cidade que abraçou o projeto, compreendeu a importância dessa parceria de levar o ensino técnico (da música) de qualidade. Campo Verde está em destaque, está à frente com essa vocação musical”, frisou.

Murilo destacou também a parceria entre a Administração Municipal e o Instituto Ciranda. “A gente é muito agradecido à Prefeitura Municipal, ao prefeito Fábio muito especialmente. Desde a primeira possibilidade desse Projeto, desde de o primeiro contato ele se mostrou extremamente sensível e acompanha o Projeto de perto até hoje. Isso é muito importante”, disse.

Responsável pela Orquestra Sinfônica Jovem, André Reges, salientou que o Projeto está no caminho certo e tem crescido tanto tecnicamente quando no número de alunos atendidos. Atualmente, são mais de 400. “Aumentamos gradativamente, de acordo com a demanda, de acordo com o espaço. Hoje nós estamos atendendo no centro e no bairro Jupiara e vamos estender agora as ações para o Bairro Santa Rosa com um projeto de fanfarra”, disse.

Reges destacou que o crescimento no número de alunos se deve à qualidade das aulas ofertadas, que se confirma com a evolução dos alunos. Alguns deles, que estão em um nível mais avançado, já atuam como monitores, auxiliando os que estão iniciando ou em um nível intermediário.

Um deles é o percursionista Wender Péricles. Quando iniciou os estudos na escola de música da Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde, Wender já tinha um pequeno conhecimento musical por ser de uma família de músicos. “No início foi bem difícil porque a gente não está acostumado com aquela rotina de estudos e é um pouco complicado. Mas com tempo foi ficando mais tranquilo, a gente vai se adaptando”, revelou.

Na apresentação da Orquestra na última quarta-feira em Cuiabá, Wender que está fazendo aula de regência, comandou a apresentação dos músicos na execução de uma das peças do repertório. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação/ASCOMCV)

Categorias: Educação e Cultura