Palestras da Semana do Bebê foram assistidas por mil pessoas




Iniciada no dia 12 e encerrada no dia 14 de junho com uma palestra ministrada pelo ginecologista João Marcelo Magalhães Reis, a “2ª Semana do Bebê”, coordenada pelo Selo UNICEF – Município Aprovado e realizada em parceria com as Secretarias Municipais de Educação e Cultura, Assistência Social e Saúde, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Convivência Positiva e BR Foods, alcançou um público de aproximadamente mil pessoas.

De acordo com Marcos Pereira, articulador do Selo UNICEF – Município Aprovado, durante a realização do evento foram ministradas 40 palestras com pediatras, ginecologistas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, enfermeiras, técnicos de enfermagem, educadores físicos, fisioterapeutas e assistente sociais. As palestras foram realizadas nos PSF´s, nos grupos do Projeto Convivência Positiva e nas unidades da BR Foods em Campo Verde.

O prefeito Fábio Schroeter parabenizou o trabalho feito pelos organizadores e destacou a importância dos cuidados com as crianças, especialmente aquelas que estão na chamada primeira infância, que vai até os 8 anos. “Nós já fizemos no ano passado, até por conta do Selo UNICEF, e todo ano temos que fazer a “Semana do Bebê”.  A gente tendo um cuidado especial com os bebês, com as crianças, vamos ter menos problemas no futuro”, disse o prefeito.

Secretária municipal de Assistência Social, Rosilene Sanguine Schroeter também destacou a importância da “Semana do Bebê”. “É uma iniciativa que vem sendo desenvolvida para que o Município olhe com outros olhos para as crianças”, disse ela. “Um Município que se propõe a fazer isso só tem a ganhar”, frisou Simoni Borges, coordenadora da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, que na oportunidade, representou a secretária da pasta, Andréa Schroeter.

Psicólogo da Secretaria Municipal de Saúde, Orivaldo Sales reforçou a importância dos cuidados com os bebês e com as crianças na primeira infância. “A criança é um como um caixa de ressonância, porém, que repercute muito mais que o adulto. Um trauma nessa idade reflete na idade adulta. Por isso a importância dos cuidados nessa fase”, observou. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação/ASCOMCV)

Categorias: Saúde