Lideranças são contra concessão e instalação de pedágios nas MT´s 251 e 140




Prefeito Fábio entrega documento ao subsecretário de Transportes e Pavimentação Urbana, José Márcio Guedes

Prefeito Fábio entrega documento ao subsecretário de Transportes e Pavimentação Urbana, José Márcio Guedes

Lideranças empresariais e políticas de Campo Verde se manifestaram contrárias à proposta de concessão das rodovias MT-251 e MT-140 e à instalação de praças de pedágios no trecho entre Cuiabá e Campo Verde, passando por Chapada dos Guimarães, totalizando um percurso de 148,2 quilômetros. Uma reunião realizada na tarde de quarta-feira (15) no Plenarinho da Câmara resultou na elaboração de um documento que foi entregue ao subsecretário de Transportes e Pavimentação Urbana de Mato Grosso, José Marcio Guedes.

Uma das propostas apresentadas pelo Governo do Estado durante Audiência Pública realizada na noite de ontem (15) no Auditório da Associação Comercial e Empresarial, prevê a readequação das rodovias com a duplicação MT-251 entre Cuiabá e Chapada do Guimarães, construção de multivias entre Chapada e o entroncamento da MT-251 com a MT-140, instalação de mirantes com áreas de descansos para os usuários, construção de cercas nas áreas localizadas no perímetro do Parque Nacional de Chapada e túneis para passagem de animais.

Outra proposta apresentada prevê a construção de multivias em vez da duplicação da MT-251 entre Cuiabá e Chapada dos Guimarães, o que demandaria menos recursos do Governo. De acordo com as obras realizadas, o Governo do Estado aportará, com a duplicação da rodovia entre Cuiabá e Chapada, R$ 170 milhões. Se a opção for pela construção de multivias, o valor a ser investido será de R$ 77 milhões.

Pelo projeto de concessão, a concessionária que vencer a licitação para a exploração das rodovias deverá colocar à disposição veículos de socorro, carros de combate a incêndio e veículo para recolhimento de animais. Em contrapartida, serão instaladas ao longo do percurso, quatro praças de pedágios com a tarifas variando entre R$ 4,5 e R$ 7,35 nos dias de semana. Nos finais de semana e nos percursos onde a MT-251 é classificada como “estrada parque”, a tarifa será de R$ 6,60.

O modelo de concessão não agradou as lideranças de Campo Verde que a consideram economicamente inviável para os moradores da cidade, que se deslocam com frequência para Cuiabá. Para ir e voltar da capital, o motorista terá de desembolsar nos dias de semana R$ 39,30. Aos sábados e domingos, o valor será de R$ 49,30.

O prefeito Fábio Schroeter, que participou da Audiência Pública, lembrou que o município tem sido parceiro do Estado na manutenção da MT-140 e da MT-344, que cruzam o território de Campo Verde, e sabe das dificuldades impostas ao Governo devido à escassez de recursos, mas apoia a decisão das lideranças locais. “A gente sonha com uma rodovia melhor, só que, diante da proposta apresentada chegamos ao consenso que não somos favoráveis nos moldes propostos”, disse o prefeito.

Fábio Schroeter entende que a concessão é uma forma de o Governo poder atender a demanda por rodovias melhores, mas no caso em questão, não vê vantagens para os usuários em razão dos custos com o pedágio. “A concessão, de um modo geral, é uma coisa boa, mas o que me preocupa bastante é a questão dos valores. O que será gasto com pedágio se aproxima do custo do combustível para ir e voltar de Cuiabá”, disse.

Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial, Deni Gueno, o número de praças de pedágios e os valores das tarifas são excessivos e caros. “Acreditamos que é possível fazer com menos”, disse ele. Gueno entende que duas praças de pedágios apenas seriam o suficiente para o trajeto. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação)

Categorias: Noticias